Iprevi - Instituto de previdencia social dos servidores municipais de Ivinhema

12/03/2018 - 09:32 | Economia

Focus: Mercado vê corte da Selic na próxima semana, para 6,5%

Economistas esperam redução de 0,25 ponto porcentual na próxima reunião do Copom e revisam para baixo as estimativas de inflação em 2018 e 2019

Economistas esperam redução de 0,25 ponto porcentual na próxima reunião do Copom e revisam para baixo as estimativas de inflação em 2018 e 2019

more_horiz

Analistas do mercado financeiro esperam novo corte de 0,25 ponto porcentual na Selic na próxima semana, diante da persistente fraqueza da inflação, de acordo com o Boletim Focus, do Banco Central, divulgada nesta segunda-feira. A expectativa agora é de que a taxa básica de juros seja reduzida dos atuais 6,75% para uma nova mínima histórica de 6,5%. O próximo encontro do Copom (comitê do BC) sobre o tema acontece entre os dias 20 e 21 de março.

Para o fim do ano, a projeção é de que a taxa termine a 6,5%, de 6,75% anteriormente, permanecendo a expectativa de que ficará em 8% ao final de 2019.

A inflação baixa ratifica essa expectativa, depois que o IPCA atingiu o menor nível em 18 anos para fevereiro a 0,32%. Nos 12 meses até fevereiro, o índice oficial divulgado pelo IBGE acumulou avanço de 2,84%, a menor leitura para o período desde 1999.

As apostas de novo corte este mês já haviam aumentado no mercado de juros futuros mesmo depois de o BC ter indicado que considerava deixar os juros estáveis, uma vez que as pressões inflacionárias estão contidas. O próprio presidente da entidade monetária, Ilan Goldfajn, reconheceu que a inflação lenta vem surpreendendo até o BC.

No Focus, a expectativa para a inflação neste ano foi reduzida pela sexta semana seguida, a 3,67%, 0,03 ponto percentual a menos do que na semana anterior. Para o ano que vem, a estimativa caiu a de 4,24% para 4,20%, segunda baixa consecutiva.

Os especialistas consultados passaram a ver ainda crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano de 2,87%, ante 2,90% antes. Em 2019, a expansão aceleraria a 3%, sem alteração.

Notícias sobre

Comentários
Deixe um comentário

voltar